sábado, 28 de novembro de 2009

KID MORENGUEIRA - MOREIRA DA SILVA


Meus filhos eram pequenos e descobriram um velho K7 com musicas de Moreira da Silva, foi amor a primeira vista. Até hoje (e isso lá se vão 20 anos) eles cantam "O Rei do Gatilho", sabem a letra de cor e salteado. Moreira mesmo se definia como um imitador de malandro, malandro mesmo ele não foi, mas cantou a malandragem como ninguém.

PEQUENA BIOGRAFIA

"Antonio Moreira da Silva nasceu no Rio de Janeiro, em 1º de abril de 1902, e faleceu também no Rio de Janeiro, em 6 de junho de 2000. Foi um cantor e compositor brasileiro, também conhecido como Kid Morengueira. Filho mais velho de Bernardino de Sousa Paranhos, trombonista da Polícia Militar, e de Dona Pauladina de Assis Moreira.

Carioca da Tijuca, criado no Morro do Salgueiro, só iniciou os estudos aos nove anos, mas abandonou a escola aos onze anos, quando da morte do pai. Foi empregado de fábricas, tecelagens e chofer de praça e de ambulância. Iniciou a carreira em 1931, com "Ererê é Rei da Umbanda". Em 1992, foi tema do enredo da escola de samba Unidos de Manguinhos. Em 1995, gravou "Os 3 Malandros In Concert", com Dicró e Bezerra da Silva, aos 93 anos de idade. Em 1996, foi tema do livro Moreira da Silva – “O Último dos Malandros”.

Com 98 anos de idade, ainda se apresentava em shows. Suas músicas: “Implorar” (1935); “Jogo Proibido” (1937); “Acertei no Milhar” (1940); “Amigo Urso”; “Fui a Paris”; “Na Subida do Morro”; “O Rei do Gatilho”, onde surge o Kid Morengueira (1962); “O Último Dos Moicanos” (sequência de “O Rei Do Gatilho”)(1963)."
(VELHOS AMIGOS)







Foto: http://www.velhosamigos.com.br

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

The Monkees

Não se tornaram ícones como os Beatles, mas não há duvidas de que marcaram uma época...



BONS TEMPOS AQUELES...

THE HOLLIES - He Ain't Heavy, He's My Brother



He Ain't Heavy, He's My Brother


The road is long
With many winding turns
That leads us to
Who knows where, who knows where

But I'm strong
Strong enough to carry him
He ain't heavy, he's my brother

So on we go
His welfare is my concern
No burden is he to bear
We'll get there

For I know
He would not encumber me, oh no.
He ain't heavy, he's my brother

If I'm laden at all
Then I'm laden with sadness
That everyone's heart
Isn't filled with gladness
Or love for one another

It's a long, long road
From which there is no return
While we're on the way to there
Why not share?

And the load
Doesn't weigh me down at all

He ain't heavy, he's my brother


Ele não pesa, ele é meu irmão

A estrada é longa
Com muitas voltas sinuosas
Isso nos conduz a quem sabe onde
Quem sabe onde

Mas eu sou forte
Forte bastante para carrega-lo
Ele não pesa, ele é meu irmão

Assim nós vamos
O bem-estar dele é a minha preocupação
Ele não é nenhum fardo para agüentar
Nós chegaremos lá

Porque eu sei
Ele não me embaraçaria
Ele não pesa, ele é meu irmão

Se eu estou carregando tudo
Eu estou carregando com tristeza
Pois todos os corações
Não estão cheios com a alegria
Do amor de um para com o outro

É uma estrada longa, longa
Da qual não há nenhum retorno
Enquanto nós estamos a caminho de lá
Por que não dividimos?

E a carga
Não me pesa em nada
Ele não pesa, ele é meu irmão

Ele é meu irmão
Ele não pesa, ele é meu irmão

The Marmalade - Reflections Of My Life


Reflections Of My Life

THE CHANGING OF SUNLIGHT TO MOONLIGHT
REFLECTIONS OF MY LIFE
OH HOW THEY FILL MY EYES
THE CREEPING OF PEOPLE IN TROUBLE

REFLECTIONS OF MY LIFE
OH HOW THEY FILL MY EYES
OH MY SORROW, SAD TOMORROW
TAKE ME BACK TO MY OLD ROAD

OH MY CRYING,
FEEL I'M DYING
DYING
TAKE ME BACK
TO MY OLD ROAD

I'M CHANGING
ARRANGING
I'M CHANGING
I'M CHANGING EVERYTHING
EVERYTHING AROUND ME
THE WORLD IS
A BAD PLACE, A BAD PLACE
A TERRIBLE PLACE TO LIVE
BUT I DON'T WANNA DIE

Reflexões da minha vida

A mudança da luz do sol para a luz do luar
São reflexões da minha vida
E como enchem meus olhos ...
A agitação das pessoas em apuros

São reflexões da minha vida
E como enchem meus olhos ...
Por favor tristeza,
Triste amanhã
Levem-me de volta,
Para meu velho caminho

Por favor meu pranto,
Sinto que estou morrendo,
Morrendo
Levem-me de volta,
Para meu velho caminho

Estou mudando
Arranjando
Estou mudando,
Mudando todas as coisas
Tudo ao meu redor
O mundo é um lugar ruim,
Um lugar ruim
Um lugar terrível
Para se viver
Mas eu não quero morrer ...

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

UM DURANGO NA DASLU - DENIS CAVALCANTI - PEQUENA BIOGRAFIA


Sempre tive vontade de conhecer essa tal de Daslu.
Já que estava em São Paulo , por que não ir? Ainda mais depois que me disseram que lá não existe nenhuma peça que custe menos de três dígitos, resolvi dar uma de São Tomé e ver para crer.
A entrada já foi um problema. O segurança perguntou pelo meu carro - ou motorista. Quem já foi sabe muito bem: na Daslu - acreditem - não se entra a pé, somente motorizado.
Fingi que não era comigo e entrei.
Fui recepcionado por uma loira escultural com sorriso de anúncio de dentifrício, uma sósia escrita e escarrada da Ana Hickman - com direito a 1m30 de pernas, chapinha no cabelo, olho azul e muito mais.

- 'Where are you from?'.

- 'Belém do Pará'.

- 'I beg your pardon!'

Tava na cara que eu não era paulistano. Mas daí a me confundir com gringo, já é demais. Eu lá tenho cara de estrangeiro! Como um cão sabujo, onde eu ia, ela ia atrás.
Dos milhares de itens que admirei boquiaberto, um em particular me encantou. Uma bolsa tiracolo Prada pra lá de maneira que imaginei que coubesse no meu orçamento.
Ressabiado, indaguei o preço.

- 'Nove, apenas nove. E o senhor pode dividir em três vezes no cartão'.

- 'Nove o quê?'

- 'Nove mil...'

- 'ARRE ÉGUA"!!!

A pequena ficou tão assustada com minha reação que cheguei a pensar que fosse chamar os seguranças. Mas não.
Acho que ela sacou que daquele mato não sairia cachorro, no máximo um carrapato.
Fechou a cara, deu meia-volta e sumiu.
Já que estava na chuva, resolvi me molhar.
Entrei num salão onde só tinha Armani. Como já estava enturmado, perguntei o preço de um 'vestidinho' de festa. Adivinhem? 100.000 pilas. Tu és doido! Uma estola de zibelina? 60.000 ..
Fico imaginando quantos bichinhos foram sacrificados para esquentar o lombo de uma madame.
Um blaser Ermenegildo Zegna (isso lá é nome de grife?), 13.000 .
Um óculos Gucci, 4.500.
Uma cuequinha básica do Valentino, 260. Com direito a ouvir essa pérola do vendedor:
- 'Leve logo meia dúzia, tá na promoção!'.Imaginem quanto ela custava antes.

Na adega climatizada não foi diferente. Um Romaneé-Conti, safra 2000 - aquele do Lula - estava por módicos 8.000 reais. Uma garrafa de Johnnie Walker Blue, envelhecida 80 anos - uma das raras existentes no planeta, 55.000.

Fiz as contas e verifiquei que no final saí no lucro.
'Charlei', vi gente famosa, coisas bonitas, tomei mineral Badoit, capuccino, Prosecco, champanheTaittinger, fartei-me de canapés, fois gras, blinis com caviar (não era Beluga). Sou duro, mas sei o que é bom. Até confit de canard tracei. De quebra, profiteroles e apetitosos bombons trufados.
As horas passaram voando. Minha acompanhante finalmente apareceu e perguntou:

- 'Vamos almoçar?'

- 'Almoço? Estou almoçado e jantado!'

Depois de conhecer quase tudo descobri que a Daslu é uma espécie de zoológico sem grades. Só que os bichos somos nós. Eu e você. Acabado, me esparramei num confortável sofá. Enquanto esperava o resto da turma chegar, abri um livro e relaxei. Mal virei a segunda página, dois novos ricos falando alto, com mais sacolas do que mãos, sentaram ao meu lado esnobando:

- 'Amanhã vamos para o nosso haras em Catanduva( São Paulo) O réveillon será no Guarujá'.

Me deu uma raiva... Peguei meu celular e resolvi mentir um pouco:

- 'Paulo, não encontrei nenhum 'Summer' para o réveillon. Abastece o jatinho.

Partimos amanhã cedo para Paris. Essa Daslu tá um lixo!'

A cara que os dois fizeram, não tem preço...

 
Gostou? Eu também, só que quando li, não conhecia o autor, mas como boa pesquisadora do Google que sou fui a caça de informações. Descobri que o autor é Denis Cavalcante (homônimo do artista plástico, mas não é ele, não se engane) Leiam este artigo, não é uma biografia, mas pelo menos dá para conhecer um pouco melhor o trabalho do Denis. Dá também para perceber que virei fã. Para mais crônicas de Denis Cavalcanti acessem O LIBERAL - DIGITAL

Quando os cronistas se encontram

Edição de 15/12/2008

Há 26, quase 27 anos, os leitores de O LIBERAL conhecem João Carlos Pereira. Denis Cavalcante também é velho - mas não tanto - conhecido dos leitores. João começou a escrever crônicas em 1982, num caderno que era a continuação do primeiro e que, na Redação, tinha o curioso nome de 'rabo'. Lá é que se publicavam as notícias de variedades, artes e espetáculos. Com o surgimento do Caderno 'Mulher', foi levado para o suplemento feminino. Quando surgiu um espaço só para cronistas, a coluna 'Bom Dia', mais uma vez mudou de lugar. Foi no 'Bom Dia' (inaugurado pelo João, a convite do redator-chefe, Walmir Botelho) que Denis Cavalcante e João Carlos Pereira encontraram-se, depois de percorrer caminhos paralelos no mesmo jornal. Quem lê o Denis, lê o João e vice-versa. A partir de agora, os dois mais antigos cronistas de O LIBERAL poderão ser lidos de uma vez só, sem que haja necessidade de se esperar pela sexta-feira, dia do Denis, ou pela segunda, do João. Eles estão juntos no livro 'Rio Memória', que será lançado hoje, a partir das 19 horas, na Assembléia Paraense da Presidente Vargas.

A experiência de fazer um livro a quatro mãos nasceu da amizade entre Denis e João. Eles se conheceram em 2002. A amizade não nasceu de uma vez. João Carlos Pereira e Denis Cavalcante foram, aos poucos, se encontrando. Eleito para a Academia Paraense de Letras, João viu o Denis começar a freqüentar a APL. Quando decidiu concorrer a uma vaga, no Silogeu, Denis tinha garantido, apenas, o voto do acadêmico Hilmo Moreira ('tudo é culpa do Hilmo', acusa). Nesse momento, João Carlos entrou na campanha e ajudou o novo amigo. Era outubro e, por um voto (um acadêmico esqueceu de mandar a cédula para os três escrutínios, certo de que o Denis se elegeria na primeira rodada e, ao enviar apenas uma voto, impediu a eleição do cronista) perdeu a eleição. Na noite em que foi proclamado o resultado, apenas Hilmo Moreira, eleitor da primeira hora, e João Carlos foram ao apartamento do quase-imortal para dizer que não desistisse. Tomaram uísque, conversaram e conseguiram dele compromisso de não desistir. Poucos meses depois, enfrentando outra campanha, foi eleito.


NA APL


Tanto Denis, quanto João, sabem que chegaram à APL a bordo das crônicas que publicaram em O LIBERAL. 'Tenho dito e escrito que minha vida mudou de rumo, depois que cheguei ao Jornal. Sem O LIBERAL e sem a Fundação Romulo Maiorana, onde trabalhei por muitos anos, pouco ou nada teria feito', agradece João. 'Meu caso é igual ao do João. Se o Walmir (Botelho - diretor-redator-chefe de O LIBERAL) não tivesse acreditado em mim, eu estaria no mais completo anonimato', diz Denis. As crônicas de 'Rio Memória' foram publicadas, inicialmente, em O LIBERAL e mostram Denis e João em sua melhor forma. 'Nós precisamos dizer muito obrigado também ao Altino Pinheiro, presidente da Imprensa Oficial, que muito tem ajudado a Academia e muito tem feito pelos autores paraenses. Nós temos uma dívida de gratidão para com ele', reconhecem os autores.

Denis Cavalcante é livreiro, jornalista (pertence, inclusive, à Academia Paraense de Jornalismo) e chef da cozinha do badalado restaurante 'Baú Bistrô'. No quarto ano do curso de medicina, resolveu que não queria ser médico e mergulhou no mundo dos livros. João Carlos é jornalista, pertence ao Conselho Estadual de Cultura do Pará e é professor universitário. O tempo não revela a dimensão da amizade que une os dois acadêmicos. 'O Denis sempre teve um amigo que fosse o contraponto dele. É agitado, irrequieto, fala alto e diz o que pensa, antes de pensar. O João é o inverso: é calmo, ponderado e só fala depois de muito pensar. O curioso que o Denis gosta de pessoas assim. O Luis Roberto Meira era como o João e os dois foram irmãos. O João, hoje, é o irmão que o Denis não teve', compara Rejane Cavalcante, esposa do Denis. 'O João e o Denis são água e vinho. Mas o João gosta muito do Denis. Gosta dele como um irmão. Quando o telefone dele toca antes de 8 horas, eu já sei: é o Denis. E isso é todo dia, todos os dias do ano. Quando o Denis não liga, ele liga', entrega Emília Farinha Pereira, esposa do João. 'São dois cronistas da melhor qualidade. Posso dizer que O LIBERAL está muito bem servido com eles. O João e o Denis seriam cronistas de primeira grandeza em qualquer lugar do Brasil. Para nossa sorte, eles estão em Belém', elogia o presidente da APL, acadêmico Édson Franco, que deu posse aos dois. 'Eles já preparam três belas antologias para a Academia. Este é, portanto, o quarto trabalho que fazem a quatro mãos’, acrescenta

Cronistas do cotidiano, Denis e João têm estilos bem diferentes, mas, no geral, tratam, essencialmente, do ser humano. 'O João diz que eu escrevo para fora e ele, para dentro. Pode ser. Não sei bem o que é isso, mas acho que ele tem razão'. 'O Denis é mais um contador de histórias. E isso ele faz como ninguém. Eu tenho outro jeito de fazer crônica. Vou mais pelos caminhos da alma. Mas cada um é cada um e assim como há crônicas do Denis que eu gostaria de ter assinado, há textos meus que ele garante que roubaria para dizer que eram dele. Na verdade, nós somos amigos fraternos e isso basta', finaliza João.

Belém, Quarta, 18/11/2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

FACUNDO CABRAL


Facundo Cabral é um cantor Argentino, nascido em 22 de maio de 1937 na cidade de Balcarce, província de Buenos Aires, Argentina. Em tenra idade seu pai deixou a casa deixando a mãe com três filhos, que emigraram para Tierra del Fuego no sul da Argentina.
Cabral teve uma infância dura e desprotegida, tornando-se um marginal, a ponto de ser internado em um reformatório. Em pouco tempo conseguiu escapar e, segundo conta, encontrou Deus nas palavras de Simeão, um velho vagabundo

Em 1970, ele gravou "No Soy De Aquí, Ni Soy De Allá" e seu nome fica conhecido em todo o mundo, gravando em nove idiomas e com cantores da estatura de Julio Iglesias, Pedro Vargas e Neil Diamond, entre outros.

Influenciado, no lado espiritual, por Jesus, Gandhi e Madre Teresa de Calcutá, na literatura por Borges e Walt Whitman, sua vida toma um rumo espiritual de observação constante em tudo o que acontece em seu redor, não se conformando o que vê, durante sua carreira como um cantor de Música Popular e, toma o caminho da crítica social, sem abandonar o seu habitual senso de humor.

Como um autor literário, foi convidado para a Feira Internacional do Livro, em Miami, onde conversou sobre seus livros, entre eles: “Conversaciones con Facundo Cabral”, “Mi Abuela y yo”, “Salmos”, “Borges y yo”, “Ayer soñé que podía y hoy puedo”, y el “Cuaderno de Facundo”.
Em reconhecimento do seu constante apelo à paz e amor, em 1996, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) o declarou "Mensageiro mundial da Paz”.

Fonte: Facundo Cabral na Wikipedia


Não estás deprimido, estás distraído.

Distraído em relação à vida que te preenche, distraído em relação à vida que te rodeia, golfinhos, bosques, mares, montanhas, rios.
Não caias como caiu teu irmão que sofre por um único ser humano, quando existem cinco mil e seiscentos milhões no mundo. Além de tudo, não é assim tão ruim viver só. Eu fico bem, decidindo a cada instante o que desejo fazer, e graças à solidão conheço-me. O que é fundamental para viver.
Não faças o que fez teu pai, que se sente velho porque tem setenta anos, e esquece que Moisés comandou o Êxodo aos oitenta e Rubinstein interpretava Chopin com uma maestria sem igual aos noventa, para citar apenas dois casos conhecidos.
Não estás deprimido, estás distraído.
Por isso acreditas que perdeste algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado. Não fizeste um só cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma. Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas, alivia-te para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.
Do útero ao túmulo, vivemos numa escola; por isso, o que chamas de problemas são apenas lições. Não perdeste coisa alguma: aquele que morre apenas está adiantado em relação a nós, porque todos vamos na mesma direção.
E não esqueças, que o melhor dele, o amor, continua vivo em teu coração.
Não existe a morte, apenas a mudança.
E do outro lado te esperam pessoas maravilhosas: Gandhi, o Arcanjo Miguel, Whitman, São Agostinho, Madre Teresa, teu avô e minha mãe, que acreditava que a pobreza está mais próxima do amor, porque o dinheiro nos distrai com coisas demais, e nos machuca, porque nos torna desconfiados.
Faz apenas o que amas e serás feliz. Aquele que faz o que ama, está benditamente condenado ao sucesso, que chegará quando for a hora, porque o que deve ser será, e chegará de forma natural.
Não faças coisa alguma por obrigação ou por compromisso, apenas por amor.
Então terás plenitude, e nessa plenitude tudo é possível sem esforço, porque és movido pela força natural da vida. A mesma que me ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha;
a mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro meses de vida.
Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu. Deves trazer felicidade e liberdade para ti mesmo.
E só então poderás compartilhar a vida verdadeira com todos os outros.
Lembra-te: "Amarás ao próximo como a ti mesmo".
Reconcilia-te contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz, porque a felicidade é uma aquisição.
Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.
Um único homem que não possuiu talento ou valor para viver, mandou matar seis milhões de judeus, seus irmãos.
Existem tantas coisas para experimentar, e a nossa passagem pela terra é tão curta, que sofrer é uma perda de tempo.
Podemos experimentar a neve no inverno e as flores na primavera, o chocolate de Perusa, a baguette francesa, os tacos mexicanos, o vinho chileno, os mares e os rios, o futebol dos brasileiros, As Mil e Uma Noites, a Divina Comédia, Quixote, Pedro Páramo, os boleros de Manzanero e as poesias de Whitman; a música de Mahler, Mozart, Chopin, Beethoven; as pinturas de Caravaggio, Rembrandt, Velázquez, Picasso e Tamayo, entre tantas maravilhas.
E se estás com câncer ou AIDS, podem acontecer duas coisas, e ambas são positivas:
se a doença ganha, te liberta do corpo que é cheio de processos (tenho fome, tenho frio, tenho sono, tenho vontades, tenho razão, tenho dúvidas)
Se tu vences, serás mais humilde, mais agradecido... portanto, facilmente feliz, livre do enorme peso da culpa, da responsabilidade e da vaidade,
disposto a viver cada instante profundamente, como deve ser.
Não estás deprimido, estás desocupado.
Ajuda a criança que precisa de ti, essa criança que será sócia do teu filho. Ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez.
Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão.
Dá sem medida, e receberás sem medida.
Ama até que te tornes o ser amado; mais ainda converte-te no próprio Amor.
E não te deixes enganar por alguns homicidas e suicidas.
O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso.
Uma bomba faz mais barulho que uma caricia, porém, para cada bomba que destrói há milhões de carícias que alimentam a vida.
Facundo Cabral


Fonte: PENSADOR.INFO
www.calixto.com.br

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

HEITOR VILLA-LOBOS - PEQUENA BIOGRAFIA - TRENZINHO CAIPIRA & BACHIANAS


Maestro e compositor brasileiro
Heitor Villa-Lobos
05/03/1887, Rio de Janeiro (RJ)
17/11/1959, Rio de Janeiro (RJ)

Heitor Villa-Lobos se tornou conhecido como um revolucionário que provocava um rompimento com a música acadêmica no Brasil. As viagens que fez pelo interior do país influenciaram suas composições. Entre elas, destacam-se: "Cair da Tarde", "Evocação", "Miudinho", "Remeiro do São Francisco", "Canção de Amor", "Melodia Sentimental", "Quadrilha", "Xangô", "Bachianas Brasileiras", "O Canto do Uirapuru", "Trenzinho Caipira".



Em 1903, Villa-Lobos terminou os estudos básicos no Mosteiro de São Bento. Costumava juntar-se aos grupos de choro, tocando violão em festas e em serenatas. Conheceu músicos famosos como Catulo da Paixão Cearense, Ernesto Nazareth, Anacleto de Medeiros e João Pernambuco.

No período de 1905 a 1912, Villa-Lobos realizou suas famosas viagens pelo norte e nordeste do país. Ficou impressionado com os instrumentos musicais, as cantigas de roda e os repentistas. Suas experiências resultaram, mais tarde, em "O Guia Prático", uma coletânea de canções folclóricas destinadas à educação musical nas escolas.

Em 1915, Villa-Lobos realizou o primeiro concerto com suas composições. Nessa época, já havia composto suas primeiras peças para violão "Suíte Popular Brasileira", peças para música de câmara, sinfonias e os bailados "Amazonas" e "Uirapuru". A crítica considerava seus concertos modernos demais. Mas à medida que se apresentava no Rio e São Paulo, ganhava notoriedade.

Em 1919, apresentou-se em Buenos Aires, com o Quarteto de Cordas no 2. Na semana da Arte Moderna de 1922, o aceitou participar dos três espetáculos no Teatro Municpal de São Paulo, apresentando, entre outras obras, "Danças Características Africanas" e "Impressões da Vida Mundana".

Em 30 de junho de 1923, Villa-Lobos viajou para Paris financiado pelos amigos e pelos irmãos Guinle. Com o apoio do pianista Arthur Rubinstein e da soprano Vera Janacópulus, Villa-Lobos foi apresentado ao meio artístico parisiense e suas apresentações fizeram sucesso.



Retornou ao Brasil em final de 1924. Em 1927, voltou à Paris com sua esposa Lucília Guimarães, para fazer novos concertos e iniciar negociações com o editor Max Eschig. Três anos depois, voltou ao Brasil para realizar um concerto em São Paulo. Acabou por apresentar seu plano de Educação Musical à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Em 1931, o maestro organizou uma concentração orfeônica chamada "Exortação Cívica", com 12 mil vozes. Após dois anos assumiu a direção da Superintendência de Educação Musical e Artística. A partir de então, a maioria de suas composições se voltou para a educação musical. Em 1932, o presidente Vargas tornou obrigatório o ensino de canto nas escolas e criou o Curso de Pedagogia de Música e Canto. Em 1933, foi organizada a Orquestra Villa-Lobos.

Villa-Lobos apresentou seu plano educacional, em 1936, em Praga e depois em Berlim, Paris e Barcelona. Escreveu à sua esposa Lucília pedindo a separação, e assumiu seu romance com Arminda Neves de Almeida, que se tornou sua companheira. De volta ao Brasil, regeu a ópera "Colombo" no Centenário de Carlos Gomes e compôs o "Ciclo Brasileiro" e o "Descobrimento do Brasil" para o filme do mesmo nome produzido por Humberto Mauro, a pedido de Getúlio Vargas.

Em 1942, quando o maestro Leopold Stokowski e a The American Youth Orchestra foram designados pelo presidente Roosevelt para visitar o Brasil O maestro Stokowski realizou concertos no Rio de Janeiro e solicitou a Villa-Lobos que selecionasse os melhores músicos e sambistas, a fim de gravar a Coleção Brazilian Native Music. Villa-Lobos reuniu Pixinguinha, Donga, João da Baiana, Cartola e outros, que sob sua batuta realizaram apresentações e gravaram a coletânea de discos, pela Columbia Records.

Em 1944/45, Villa-Lobos viajou aos Estados Unidos para reger as orquestras de Boston e de Nova York, onde foi homenageado. Em 1945 fundou a Academia Brasileira de Música. Dois anos antes de sua morte, o maestro compôs "Floresta do Amazonas"para a trilha de um filme da Metro Goldwyn Mayer. Realizou concertos em Roma, Lisboa, Paris, Israel, além de marcar importante presença no cenário musical latino-americano.

Praticamente residindo nos EUA entre 1957 e 1959, Villa-Lobos retornou ao Brasil para as comemorações do aniversário do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Com a saúde abalada, foi internado para tratamento e veio a falecer em novembro de 1959.

FONTE: http://educacao.uol.com.br/biografias/

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

CHICO BUARQUE



O Meu Amor

Teresinha:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca
Quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada, ai

Lúcia:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos
Viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo
Ri do meu umbigo
E me crava os dentes, ai

As duas:
Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz

Lúcia:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
De me deixar maluca
Quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba malfeita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita, ai

Teresinha:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios
De me beijar os seios
Me beijar o ventre
E me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo
Como se o meu corpo fosse a sua casa, ai

A duas:
Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz

terça-feira, 8 de setembro de 2009

SONHADORA - Dreamer: Inspired by a True Story






Sinopse
O treinador Ben Crane (Kurt Russell) e sua filha Cale (Dakota Fanning) passam a cuidar de um cavalo ferido. Logo os dois desenvolvem um carinho especial pelo animal e lutam para se recupere logo. Quando isso acontece, pai e filha resolvem increvê-lo no Breeders' Cup, uma importante corrida de cavalos.

Informações Técnicas
Título no Brasil: Sonhadora
Título Original: Dreamer: Inspired by a True Story
País de Origem: EUA
Gênero: Drama
Classificação etária: Livre
Tempo de Duração: 102 minutos
Ano de Lançamento: 2005
Estréia no Brasil: 20/10/2006
Site Oficial: http://www.dreamworks.com/Dreamer/
Estúdio/Distrib.: Downtown Filmes
Direção: John Gatins



Elenco
Kurt Russell .... Ben Crane
Dakota Fanning .... Cale Crane
Kris Kristofferson .... Pop Crane
Elisabeth Shue .... Lily
David Morse .... Palmer
Freddy Rodríguez .... Manolin
Luis Guzmán .... Balon
Oded Fehr .... Prince Sadir
Ken Howard .... Bill Ford
Holmes Osborne .... Doc Fleming
Antonio Albadran .... Prince Tariq
John Moyer .... Security Officer
Kayren Butler .... Teacher
Tommy Barnes .... Short Steward
Frank Hoyt Taylor .... Chairman

CURIOSIDADES

*O roteiro de Sonhadora foi apresentado na Paramount Pictures e na Warner Bros, mas ambos recusaram o projeto.

*O diretor John Gatins recebeu dos produtores o aviso de que se conseguisse Dakota Fanning para estrelar Sonhadora a produção do longa-metragem seria autorizada. O diretor então entrou em contato com o agente da atriz e, após várias reuniões, conseguiu acertar sua presença no elenco.

*O personagem Cale Crane foi inicialmente idealizado como um garoto, tendo sido mudado de sexo para que Dakota Fanning pudesse interpretá-lo.

*Kurt Russell comprou para Dakota Fanning um verdadeiro cavalo Palomino, que recebeu o nome de Goldie.

INFORMAÇÕES: WWW.BASTACLICAR.COM.BR

sábado, 29 de agosto de 2009

Sempre heróico John Wayne em "El Dorado"



EL DORADO (1966)
Directed By Howard Hawks
JOHN WAYNE as Cole Thornton
Starring Robert Mitchum, James Caan,
Arthur Hunnicutt, Paul Fix.......
"El Dorado"
Lyrics by John Gabriel
Music by Nelson Riddle
Song by George Alexander

To sunshine and shadow, from darkness till noon
Over mountains that reach from the sky to the moon
A man with a dream that will never let go
Keeps searching to find El Dorado

So ride, boldly ride, to the end of the rainbow
Ride, boldly ride, till you find El Dorado

The wind becomes bitter, the sky turns to grey
His body grows weary, he can't find his way
But he'll never turn back, though he's lost in the snow
For he has to find El Dorado

So ride, boldly ride, to the end of the rainbow
Ride, boldly ride, till you find El Dorado

My Daddy once told me what a man ought to be
There's much more to life than the things we can see
And the godliest mortal you ever will know
Is the one with the dream of El Dorado

So ride, boldly ride, to the end of the rainbow
Ride, boldly ride, till you find El Dorado



Sempre heróico John Wayne em "El Dorado" e "Chisum"
Artigo de Aramis Millarch originalmente publicado em 01 de março de 1992


Nenhum ator personificou melhor a imagem do herói do oeste do que John Wayne (Marion Michael Morrison, 26/5/1907-16-6-1979). Ex-jogador de ruby em seus tempos universitários, chegou ao cinema com stunt-man privilegiado pelo seu físico. Foi Raoul Walsh que lhe deu sua primeira chance de aparecer como ator em "Salute" (1929), mas seria o seu maior amigo, John Ford (1895-1973) que lhe daria o primeiro papel principal - no clássico "No Tempo das Deligências" (Stagecoach, 1939).

Em mais de 40 anos de cinema, Wayne fez dezenas de filmes. Era um direitista radical (chegou a financiar e dirigir o mais reacionário filme contra o Vietnã, "Os Boina Verdes", em 1967) e sempre identificou-se aos personagens másculos, heróicos, "cem por cento americanos". Nacionalista ao extremo, produziu e dirigiu também "Alamo" e apesar de repetir sempre o mesmo tipo teve atuações marcantes em filmes como "Depois do Vendaval" (True Grit, 69, de Henry Hathaway).

Campeão de bilheterias, verdadeiro imã para o público que sempre apreciou seu estilo de machão, John Wayne continua a repetir, 13 anos após a sua morte, a sua popularidade agora transferida para as locadoras nos quais a cada mês aparecem filmes por ele estrelados. A Repúblic - via Paris Filmes - dispõe do rico catálogo que tem Wayne em dezenas de produções, desde o clássico "Depois do Vendaval" até o aventuroso "O Rastro da Bruxa Vermelha", lançado há poucos dias. Agora, a CIC Vídeo está colocando nas locadoras um dos bons e vigorosos westerns estrelados por Wayne - "El Dorado", 1966, de Howard Hawks (1896-1977), que é uma espécie de seqüência de "Onde Começa O Inferno" (Rio Bravo, 59) com a mesma temática: xerife enfrenta com pouca ajuda bando de facínoras. Embora constantemente reprisado na televisão, este western classe A, com música de Nelson Riddle e roteiro de Leight Brackett baseado no livro "The Stars In Their Courses" [de] Harry Brown, merece sempre ser revisto. No elenco, destaca-se também Roberto Mitchum, em excelente atuação.

Nos últimos anos de sua vida, John Wayne fez alguns westerns menores - mas nem por isto desprezíveis. Foi o caso de "Chisum" que agora com o subtítulo de "Uma Lenda Americana" está sendo lançado pela Europa Vídeo. Produção de 1968, Wayne contracenava com veteranos do gênero como Ben Hohnson e Forrest Tucker - e intérpretes que acabaram esquecidos (Bruce Cabot, Glenn Corbett, Patricy Knowles, Andre Prine etc.). O produtor foi Andrew Victor McLaglen (filho do ator Andrew, um dos maiores amigos de John Ford e John Wayne) e foi dirigido por Andrew J. Fenaday - que não fez carreira. O roteiro misturou um personagem histórico - o barão latifundiário e dono de rebanhos no Novo México, John Simpson Chisum, no Novo México, com uma lenda do oeste - a luta entre Billy "The" Kid (William H. Honneh, 1859-1881) e seu duelo fatal com Pat Garret, em 15 de julho de 1991. Poucos personagens tem sido tão fantasiados no cinema como "Billy The Kid", e nesta versão uma nova ótica do [célebre] pistoleiro é colocada - em confronto ao capitalismo selvagem que já se estabelecia nas imensas extensões do Novo México na segunda metade do século passado.

Texto de Aramis Millarch, publicado originalmente em:
Veiculo: Estado do Paraná Caderno ou Suplemento: Nenhum Coluna ou Seção: Vídeo/Som Página: 21 Data: 01/03/1992

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

THE CANTERBURY TALES - Geoffrey Chaucer


Os Contos da Cantuária (pt) ou Os contos de Canterbury (br) (no original em inglês, The Canterbury Tales) é uma obra do século XIV escrita por Geoffrey Chaucer, considerado um dos consolidadores e "pai" do idioma inglês.
Homem de confiança da corte, Chaucer vai a trabalho à Itália e entra em contato com o embrionário Renascimento, o que o aproxima da obra de Dante e de Bocácio, influência importante para a composição desse longo poema narrativo, seu texto mais famoso.
A obra descreve a trajetória de 29 viajantes que, saindo de Tabard Inn, dirigiam-se à catedral da Cantuária a partir de Southwark, nas proximidades de Londres, com o objetivo de prestar homenagem ao santuário de São Thomas Becket, um bispo católico assassinado, em 1170, por partidários do rei Henrique II de Inglaterra.
Entre os componentes estavam um cavaleiro e seu escudeiro, um mercador em armas, monges, um frade mendicante, uma prioresa, pároco, um vendedor de indulgências, um estudante, alguns profissionais liberais (um médico, um advogado, um jurista), um moleiro, um feitor, um cozinheiro, um marinheiro, um carpinteiro, um tintureiro, um tapeceiro, um marujo, um lavrador e uma viúva de cinco maridos.
Durante a viagem os peregrinos iam sendo sorteados para que contassem histórias aos demais: relatos de amor, luxúria, sexo e morte, que teriam inspiração em Boccaccio e que apresentam a realidade social da Inglaterra do século XIV.
Os Contos da Cantuária são uma espécie de narração em verso de acontecimentos curiosos, textos recheados de passagens pitorescas, citações clássicas, ensinamentos morais, relacionados à vida e aos costumes do século XIV na região da Cantuária e, por extensão, no resto da ilha britânica. A obra teria influenciado grandes escritores ingleses como William Shakespeare e John Milton.
WIKIPÉDIA

OS CONTOS DE CANTERBURY

Excertos do Prólogo

Quando o chuvoso abril cortou feliz
A secura de março na raiz,
E banhou cada veia no licor
Que tem o dom de produzir a flor;
Quando Zéfiro com o alento doce
Para as copas e os campos também trouxe
Tenros brotos, e o sol de pouca idade
Do curso em Aries percorreu metade,
E a passarada faz o seu concerto,
E dorme a noite inteira de olho aberto
(Que a natureza acende o coração),
Então se vai em peregrinação,
E até nos mais inóspitos confins
Aos santuários chegam palmeirins;
Enquanto na Inglaterra toda gente
Visita Cantuária especialmente,
A fim de conhecer a sepultura
Do santo mártir que lhes trouxe cura.
Naquele tempo, um dia aconteceu
Que em Southwark, no Tabardo, achando-me eu
Pronto a seguir em peregrinação
A Cantuária, todo devoção,
Vieram essa noite à hospedaria
Bem vinte e nove numa companhia
De pessoas diversas que os destinos
Reuniram, por serem peregrinos
Buscando o mesmo fim de igual maneira.
Eram amplos os quartos e a cocheira,
E assim tivemos lá ótimo pouso.
E logo quando o sol buscou repouso,
Falara com cada um, se bem me lembro;
Assim, da comitiva fiquei membro,
E concordei em levantar-me cedo
Para partir, como a narrar procedo.
Porém enquanto tenho tempo e espaço,
E antes que nesta história avance o passo,
Creio de bom alvitre e boa razão
De cada um descrever a condição,
Mostrando, em meu juízo pessoal,
O modo de posição de cada qual,
E também suas roupas e ativo:
E com um cavaleiro principio.
(vv. 1-42)

O Cavaleiro

Havia um CAVALEIRO, um homem digno,
Que sempre, tendo as armas como signo,
Amou a lealdade e a cortesia,
A honra e a franqueza da cavalaria.
Nas guerras de seu amo lutou bem,
E mais distante não andou ninguém,
Entre os pagãos ou pela cristandade;
E sempre honrado por sua dignidade.
Já vira Alexandria prisioneira;
Muitas vezes tomara a cabeceira,
Precedendo às demais nações na Prússia;
A Lituânia visitara, e a Rússia,
Onde cristão tão nobre não se vira.
Em Granada, no cerco de Algecira,
Estivera também, e em Belmaria.
Passou depois por Ayas e Atalia
Quando Caíram, e no Grande Mar
Pôde altos desembarques presenciar
Travou lutas mortais, uma quinzena,
E pela fé bateu-se em Tramassena,
Em três justas, matando ao inimigo,
A este bravo levou então consigo
Certa vez o senhor de Palatia,
Contra um outro pagão lá na Turquia:
Louvores mereceu de todo lábio.
E, além de ser valente, ele era sábio,
Modesto qual donzela na atitude,
Pois jamais dirigiu palavra rude,
Em toda a vida, a estranho ou companheiro.
Era um gentil, perfeito cavaleiro.
Quanto à aparência, era isto que vos falo:
Simples no traje; bom o seu cavalo.
Via-se a grossa túnica manchada
Pela cota de malha enferrujada,
Pois voltava de mais uma missão,
Saindo logo em peregrinação.
(vv. 43-78)

A Prioresa

E estava lá uma freira, PRIORESA.
Sorria assim como a modéstia sói,
E, se jurava, era por Santo Elói;
Essa dama chamava-se Eglantina.
Sempre cantava a prática divina
Com voz fanhosa tal como convém;
Falava ela francês bonito e bem,
Como em Stratford-at-Bow a gente o diz,
E não com o sotaque de Paris.
Sua conduta à mesa era educada;
Da boca não deixava cair nada,
Nem no molho afundava muito os dedos.
Da graça no comer tinha os segredos,
Sem uma gota respingar no peito.
O seu refinamento era perfeito.
Limpava tanto o lábio superior
Que a taça em que bebia o seu licor
Nenhum indício tinha de gordura;
Sabia ela servir-se com finura.
E era de ânimo alegre, certamente,
E se mostrava amável e contente;
As etiquetas copiava inteiras
Da corte, para ter boas maneiras
E de todos granjear a reverência.
Para falar, porém, de Sua consciência,
Tinha tanta piedade e fino trato,
Que até chorava quando via um rato
Morto na ratoeira, ou a sangrar
Os seus cãezinhos vinha alimentar
Com pão branquinho e leite e carne assada.
Mas, se um deles levasse bastonada,
Ou se morresse, ardia de aflição:
Era toda consciência e compaixão.
O véu pregueado lhe estava mal;.
Nariz reto; olhos cinza, de cristal;
Pequena a boca rúbida e macia;
Bela testa sem dúvida exibia,
Com quase um palmo de largura, eu acho;
Não era nada magra por debaixo
Das vestes, apropriadas por sinal.
Tinha ao braço um rosário de coral
Com as contas maiores esverdeadas,
E um medalhão de refrações douradas
Onde se lia, coroado, um A,
E depois: Amor vincit omnia.
(vv.118-162)

O Médico

Conosco estava um MÉDICO também;
Em todo o mundo não existe alguém
Tão bom em medicina e cirurgia,
E alicerçado assim na astronomia.
Previa a hora propícia contra o mal
Pelo uso da magia natural.
Com firmeza traçava ele o ascendente
Dos amuletos para o seu paciente.
Via a causa de cada enfermidade
No frio, calor, secura ou umidade,
Onde nascia, e qual o seu humor;
Era um perfeito, um ótimo doutor.
Sabendo a fonte de onde o mal provinha,
Receitava ao enfermo sua mezinha,
Surgiam a seguir os boticários
Com suas drogas e remédios vários,
Pois a esta classe aquela classe obriga
Numa amizade já bastante antiga;
Seu Esculápio conhecia bem,
Rufus e Deiscórides também,
O velho Hipócrates, Ali, Galeno,
Serapião, Razis e Damasceno;
Avicena, Averróis e Constantino;
Bernardo e Gatesden e Gilbertino.
Tinha a dieta muito moderada,
Pois de supérfluo não comia nada,
Mas só alimento rico e digestivo.
Em ler a Bíblia parecia esquivo.
É De vermelho e de azul vinha vestido;
De seda e tafetá era o tecido
Gastava o seu dinheiro com cuidado,
Guardando o que na peste havia lucrado.
Como o ouro entre os cordiais tem mais valia,
Ao ouro mais que tudo ele queria.
(vv. 411-444)

A Mulher de Bath

Uma MULHER de BATH havia em cena;
Mas era meio surda, o que era pena.
De bons tecidos era fabricante,
Chegando a superar Yprês e Gante.
Tirar-lhe alguém na igreja a precedência
No beijo da relíquia era imprudência,
Porque ela abandonava as boas maneiras
E perdia de vez as estribeiras.
Seus lenços, feitos das melhores fibras,
Por certo pesariam bem dez libras,
Que aos domingos na testa carregava.
Nas calças justas o escarlate usava,
E era novo e macio o seu calçado;
Rosto atrevido, belo e avermelhado.
Em sua vida digna. e benfazeja
Cinco vezes casara-se na igreja -
Fora os casos de sua juventude
(Falar disso, porém, seria rude).
Com três viagens a Jerusalém,
Atravessara rios mais que ninguém;
Em Roma tinha estado, e mais Boulogne;
Na Galícia, em Santiago, e então Colônia.
Vira assim muitas coisas diferentes.
Mostrava uma janela entre seus dentes.
Num cavalo esquipado, usando um véu,
Cavalgava debaixo de um chapéu
Mais largo que um broquel ou que um escudo;
Sobre os amplos quadris, um sobretudo;
De esporas pontiagudas se servia.
Ria e tagarelava em companhia.
Dos remédios de amor tinha abundância,
Pois dessa arte sabia a velha dança.
(vv.445-476)

O Moleiro

Era forte o MOLEIRO, era um colosso,
De músculo era grande, e grande de osso,
E onde lutasse, no pais inteiro,
Sempre levava o prêmio do cameiro.
Era entroncado, largo atrás e à frente.
Tirava qualquer porta do batente,
Ou na testa a quebrava em disparada.
A barba era uma pá, larga e arruivada,
Como porca ou raposa no matiz.
Havia, no espigão de seu nariz,
Verruga de pelugem tão vermelha
Quanto as cerdas que a porca tem na orelha,
Suas narinas, antros de negrura.
Tinha broquei e espada na cintura.
A boca era fornalha desmedida.
Só matracava casos de má vida,
Histórias de pecado e putaria.
Roubava o trigo, e nisto se servia
De seu polegar de ouro, por Jesus.
Branco o casaco, e azul era o capuz.
Tocava a cornamusa com vontade,
E assim nos trouxe fora da cidade.
(vv. 545-566)

A Sugestão do Taberneiro

"Senhores", disse, "agora eis o melhor;
E fazer pouco caso ninguém deve.
Este o ponto - serei rápido e breve:
Que cada um, já que a estrada é tão comprida,
Conte dois contos na viagem de ida
A Cantuária, e que, também depois,
Na volta, cada qual conte mais dois,
Sobre casos antigos do passado;
E aquele que melhor tiver contado,
Ou seja, quem narrar, na circunstância,
Os contos de mais graça e mais substância,
Vai ganhar de nós todos um jantar,
Sentado mesmo aqui neste lugar,
Quando acabar-se a peregrinação.
E, para que haja mais animação,
Eu com prazer me agrego à companhia,
Às minhas próprias custas, como guia.
E quem contradisser meu julgamento
Das despesas fará o pagamento.
Se com isso vós todos concordais,
Dizei-me logo,, não se fala mais,
E eu vou me preparar para a partida."
(vv. 788-809)

VIZIOLI, Paulo. A Literatura Inglesa Medieval. São Paulo: Nova Alexandria, 1992. Edição bilíngüe. Seleção, tradução e notas de Paulo Vizioli.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

RIO BRAVO



Começo aqui um mês dedicado ao DUCK (John Wayne). Se fosse começar pelos grandes filmes, seria por Rastros de ódio, mas resolvi jogar no palitinho, pois bons ou medianos gosto de todos. Chega a ser engraçado a repetição da mesma fórmula, se você é fã deve ter assistido El Dorado, Rio Lobo e mais um ou dois que seguem esta mesma fórmula, surpresas? Nenhuma, mas não deixa de ser uma delícia assistir a estes velhos clássicos. eu simplesmente ADORO!

Rio Bravo: o faroeste perfeito
por Luiz Zanin, Seção: Cinema, Críticas 12:28:07.
Onde Começa o Inferno (Rio Bravo, 1959) é um daqueles filmes sobre os quais já correram rios de tinta. Em especial, porque os então jovens críticos da Cahiers du Cinéma colocaram Howard Hawks no pedestal da autoria cinematográfica, apenas um pouco abaixo de Alfred Hitchcock.

Como ver então esse filme? Ou melhor, como revê-lo já que, como qualquer outro clássico, Rio Bravo é suposto como parte indispensável do conhecimento cinematográfico de qualquer cinéfilo que se leva a sério? Pois bem, uma maneira talvez interessante, no momento em que ele sai em DVD em edição luxuosa da Warner (R$ 39,90), é atentar para o que faz deste filme um western perfeito e um permanente encanto para quem gosta de cinema.

A história é aquela que todos conhecem. John Wayne é o xerife de uma cidadezinha. Ele precisa defender a cadeia contra um bando bem armado que deseja libertar um companheiro lá preso. Wayne conta apenas com a ajuda de um velho manco (Walter Brennan) e um alcoólatra em recuperação (Dean Martin). A eles se une o jovem pistoleiro rápido no gatilho (Ricky Nelson). E o grupo se completa com a presença de uma mulher de passado suspeito e cara de anjo (Angie Dickinson), por quem o durão John T. (Wayne) acaba se enrabichando.

Tirando o enfrentamento final, Rio Bravo até que não tem muita ação para um western. Quase nada, de fato. É um faroeste de espera, quer dizer, de clima e, nessa ausência de ação é a sua forma que se depura. Boa parte se passa no interior da velha cadeia e o tempo é ocupado com a convivência dos homens. A tensão sobe, pois os bandidos pedem a um grupo de mariachis que toque incessantemente uma melodia chamada A Degola. Não é preciso dizer o seu significado. Mas nem o medo abala a amizade viril, tão sólida que, ameaçado de morte, há tempo para que o grupo toque e cante duas belas melodias. Não vamos esquecer que Ricky Nelson tem sua origem no rock.

Os elementos míticos do western estão dados: a luta dos bons contra os maus, a ameaça da fêmea ao universo macho, que se defende com a amizade viril, intensa e de poucas palavras. É com esse caráter que se civiliza um país, diz o mito. O engenho de Hawks é tratar esses pontos quase como formas puras, servindo-se de uma linha narrativa mínima, quase inexistente. E, ao mesmo tempo, colocando um certo distanciamento, permitido pelo uso do humor em situações que em tese seriam dramáticas. O resultado é estupendo e não tem paralelo na história do gênero.

(Estadão, Caderno Cultura, 9/7/07)



Compositores: Dimitri Tiomkim / Paul Francis Webster
Interpretes: Dean Martin e Rick Nelson

Sun is sinking in the west
The cattle go down to the stream
The redwing settles in the nest
It's time for a cowboy to dream

Purple light in the canyon
that is where I long to be
With my three good companions
just my rifle pony and me

Gonna hang my sombrero
on the limb of a tree
Coming home sweet my darling
just my rifle pony and me

Whippoorwill in the willow
sings a sweet melody
Riding to Amarillo
just my rifle pony and me

No more cows to be ropin'
No more strays will I see
'round the bend shell be waitin
For my rifle pony and me
For my rifle my pony and me

MEU RIFLE, MEU PÔNEI E EU
tradução (marcia regina de negreiros)

Sol se pondo no oeste
gado desce ao riacho
águia no ninho a pousar
é hora do cowboy sonhar

luz púrpura no cannion
é lá que eu quero estar
com minha doce companheira
somente meu rifle , meu pônei e eu

pendurar meu sombrero
sobre o galho de uma árvore
estou indo para casa minha querida
somente meu rifle , pônei, e eu

curiango no salgueiro
canta doce melodia
vou cavalgar até Amarillo
somente meu rifle, meu pônei e eu

não há mais vacas para amarrar
novilhos desgarrados não verei
Lá na curva ela vai me esperar
por meu rifle, meu pônei e eu
por meu rifle, meu pônei e eu

sexta-feira, 5 de junho de 2009

MORRE O ATOR DAVID CARRADINE... (*1936 - 2009 +)

... mas para toda uma geração que cresceu vendo as aventuras do Kung-fu ele jamais será esquecido, bem como toda uma cultura que cresceu em torno destas aventuras. afinal, quem não se lembra do MESTRE E O PEQUENO GAFANHOTO? Estes vídeos são para recordar uma época que ficará gravada para sempre em nossos corações.



Kwai Chang Caine, na série de TV "Kung Fu", de 1970



O ator David Carradine, famoso por seu papel pela série de televisão “Kung Fu” e por seu papel no filme “Kill Bill” de Quentin Tarantino, foi encontrado morto nesta quinta-feira (4) no quarto de seu hotel em Bangcoc, informou a rede de televisão “ABC“, que cita fontes da Embaixada dos Estados Unidos na Tailândia. Carradine, que tinha 73 anos, estava no país asiático fazendo um filme.
A causa da morte ainda não foi esclarecida, e rumores dizem que Carradine se suicidou por enforcamento. O corpo teria sido encontrado por uma funcionária do hotel sentado num armário com uma corda ao redor do pescoço. Ainda não há mais detalhes sobre a investigação.
David Carradine integrou o elenco de mais de 100 filmes realizados por nomes como Martin Scorsese, Ingmar Bergman e Hal Ashby.
Foi porém a sua personagem de Kwai Chang Caine, um monge shaolin que atravessava a fronteira oeste dos Estados Unidos em 1800, na série televisiva “Kung Fu” que o tornou famoso entre 1972 e 1975.
Ele retomou esta personagem em meados dos anos 1980 num filme de TV e nos anos 1990 na série “Kung Fu: a lenda continua”.

Fonte de pesquisa: CINEMA & AFINS

segunda-feira, 18 de maio de 2009

LER DEVERIA SER PROIBIDO!!



A pensar fundo na questão, eu diria que ler devia ser proibido.

Afinal de contas, ler faz muito mal às pessoas: acorda os homens para realidades impossíveis, tornando-os incapazes de suportar o mundo insosso e ordinário em que vivem. A leitura induz à loucura, desloca o homem do humilde lugar que lhe fora destinado no corpo social. Não me deixam mentir os exemplos de Don Quixote e Madame Bovary. O primeiro, coitado, de tanto ler aventuras de cavalheiros que jamais existiram meteu-se pelo mundo afora, a crer-se capaz de reformar o mundo, quilha de ossos que mal sustinha a si e ao pobre Rocinante. Quanto à pobre Emma Bovary, tomou-se esposa inútil para fofocas e bordados, perdendo-se em delírios sobre bailes e amores cortesãos.

Ler realmente não faz bem. A criança que lê pode se tornar um adulto perigoso, inconformado com os problemas do mundo, induzido a crer que tudo pode ser de outra forma. Afinal de contas, a leitura desenvolve um poder incontrolável. Liberta o homem excessivamente. Sem a leitura, ele morreria feliz, ignorante dos grilhões que o encerram. Sem a leitura, ainda, estaria mais afeito à realidade quotidiana, se dedicaria ao trabalho com afinco, sem procurar enriquecê-la com cabriolas da imaginação.

Sem ler, o homem jamais saberia a extensão do prazer. Não experimentaria nunca o sumo Bem de Aristóteles: o conhecer. Mas para que conhecer se, na maior parte dos casos, o que necessita é apenas executar ordens? Se o que deve, enfim, é fazer o que dele esperam e nada mais?

Ler pode provocar o inesperado. Pode fazer com que o homem crie atalhos para caminhos que devem, necessariamente, ser longos. Ler pode gerar a invenção. Pode estimular a imaginação de forma a levar o ser humano além do que lhe é devido.Além disso, os livros estimulam o sonho, a imaginação, a fantasia. Nos transportam a paraísos misteriosos, nos fazem enxergar unicórnios azuis e palácios de cristal. Nos fazem acreditar que a vida é mais do que um punhado de pó em movimento. Que há algo a descobrir. Há horizontes para além das montanhas, há estrelas por trás das nuvens. Estrelas jamais percebidas. É preciso desconfiar desse pendor para o absurdo que nos impede de aceitar nossas realidades cruas.

Não, não dêem mais livros às escolas. Pais, não leiam para os seus filhos, pode levá-los a desenvolver esse gosto pela aventura e pela descoberta que fez do homem um animal diferente. Antes estivesse ainda a passear de quatro patas, sem noção de progresso e civilização, mas tampouco sem conhecer guerras, destruição, violência. Professores, não contem histórias, pode estimular um curiosidade indesejável em seres que a vida destinou para a repetição e para o trabalho duro.

Ler pode ser um problema, pode gerar seres humanos conscientes demais dos seus direitos políticos em um mundo administrado, onde ser livre não passa de uma ficção sem nenhuma verossimilhança. Seria impossível controlar e organizar a sociedade se todos os seres humanos soubessem o que desejam. Se todos se pusessem a articular bem suas demandas, a fincar sua posição no mundo, a fazer dos discursos os instrumentos de conquista de sua liberdade.

O mundo já vai por um bom caminho. Cada vez mais as pessoas lêem por razões utilitárias: para compreender formulários, contratos, bulas de remédio, projetos, manuais etc. Observem as filas, um dos pequenos cancros da civilização contemporânea. Bastaria um livro para que todos se vissem magicamente transportados para outras dimensões, menos incômodas. E esse o tapete mágico, o pó de pirlimpimpim, a máquina do tempo. Para o homem que lê, não há fronteiras, não há cortes, prisões tampouco. O que é mais subversivo do que a leitura? É preciso compreender que ler para se enriquecer culturalmente ou para se divertir deve ser um privilégio concedido apenas a alguns, jamais àqueles que desenvolvem trabalhos práticos ou manuais. Seja em filas, em metrôs, ou no silêncio da alcova... Ler deve ser coisa rara, não para qualquer um.

Afinal de contas, a leitura é um poder, e o poder é para poucos.

Para obedecer não é preciso enxergar, o silêncio é a linguagem da submissão. Para executar ordens, a palavra é inútil.

Além disso, a leitura promove a comunicação de dores, alegrias, tantos outros sentimentos... A leitura é obscena. Expõe o íntimo, torna coletivo o individual e público, o secreto, o próprio. A leitura ameaça os indivíduos, porque os faz identificar sua história a outras histórias. Torna-os capazes de compreender e aceitar o mundo do Outro. Sim, a leitura devia ser proibida.

Ler pode tornar o homem perigosamente humano.

Autor:
Guiomar de Grammon

segunda-feira, 11 de maio de 2009

AEROSMITH AND JOHN DENVER



Eu poderia ficar acordado só para ouvir você respirar
Ver o seu rosto sorrindo enquanto você dorme
Enquanto você está longe e sonhando

Eu poderia passar minha vida inteira nessa doce
entrega
Eu poderia me perder neste momento para sempre
Todo momento que eu passo com você é o máximo

Não quero fechar meus olhos
Não quero pegar no sono
Porque eu sentiria a sua falta, baby
E eu não quero perder nada
Porque mesmo quando eu sonho com você
O sonho mais doce nunca vai ser suficiente
E eu ainda sentiria a sua falta, baby
E eu não quero perder nada

Deitado perto de você, sentindo o seu coração bater
E imaginando o que você está sonhando
Imaginando se sou eu quem você está vendo
Então eu beijo seus olhos e agradeço a Deus por
estarmos juntos
Eu só quero ficar com você
Neste momento para sempre, para todo o sempre

Não quero perder um sorriso
Não quero perder um beijo
Bom, eu só quero ficar com você
Aqui com você, apenas assim
Eu só quero te abraçar forte
Sentir seu coração perto do meu
E ficar aqui neste momento
Por todo o resto dos tempos



Todas as minhas bolsas estão arrumadas, estou pronto para ir,
Estou parado aqui no lado de fora da sua porta.
Eu odeio acordar você para dizer adeus,
Mas a aurora está rompendo, é manhã cedo.
O táxi está esperando, ele está tocando sua buzina,
Já estou tão deprimido que podia morrer.

Então beije-me e sorria para mim,
Diga-me que você esperará por mim,
Segure-me como se você nunca fosse me deixar ir.
Pois estou partindo num avião a jato,
Não sei quando estarei de volta outra vez;
Oh babe, eu odeio partir.

Tem tantas vezes que te decepcionei,
Tantas vezes que brinquei por aí,
Eu te digo agora, elas não significam nada.
Em todo lugar que for, eu pensarei em você,
Toda canção que cantar, eu cantarei para você;
Quando eu voltar, trarei seu anel de casamento.

Então beije-me e sorria para mim,
Diga-me que você esperará por mim,
Segure-me como se você nunca fosse me deixar ir.
Pois estou partindo num avião a jato,
Não sei quando estarei de volta outra vez;
Oh babe, eu odeio partir.

Agora chegou a hora de te deixar;
Mas uma vez deixe-me beijar você,
Então feche seus olhos, estarei a caminho.
Sonhe com os dias que virão
Quando eu não terei de partir sozinho,
[Sonhe] com os momentos em que não terei de dizer:

Então beije-me e sorria para mim,
Diga-me que você esperará por mim,
Segure-me como se você nunca fosse me deixar ir.
Pois estou partindo num avião a jato,
Não sei quando estarei de volta outra vez;
Oh babe, eu odeio partir...

PHIL COLINS AND ROLINGS STONES


[Björn Svensson]
How can I just let you walk away
Just let you leave without a trace
When I stand here taking
Every breath with you oohhhh
You're the only one
Who really knew me at all

[Sibel]
Now I wish I could just make you turn around
Turn around and see me cry
There's so much I need to say to you
So many reasons why
You're the only one
Who really knew me at all

[Togheter]
So take a look at me now
'Cause there's just an empty space
There's nothing left here to remind me
Just the memory of your face
So Take a look at me now
Cause there's just an empty space
But to wait for you is
All I can do
And that's what I've got to face.



Angie, Angie, quando aquelas nuvens todas desaparecerão?
Angie, Angie, para onde isso vai nos conduzir a partir
daqui?
Com nenhum amor em nossas almas
e nenhum dinheiro em nossos casacos,
Você não pode dizer que estamos satisfeitos.
Mas Angie, Angie, você não pode dizer que nunca tentamos.

Angie, você é linda, mas não é o momento que dissemos
adeus?
Angie, eu ainda te amo,
lembra-se de todas aquelas noites que choramos?
Todos os sonhos que seguramos tão firmemente pareceram
Evaporar-se na fumaça.
Deixe-me sussurrar em seu ouvido:
Angie, Angie, para onde isso vai nos conduzir a partir
daqui?

Angie, não chore, todos seus beijos ainda têm gosto
doce,

Eu odeio essa tristeza em seus olhos.
Mas, Angie, Angie, não é o momento que dissemos adeus?

Com nenhum amor em nossas almas
e nenhum dinheiro em nossos casacos,
Você não pode dizer que estamos satisfeitos.
Mas, Angie, eu ainda te amo, baby,
Em todo lugar que procuro, vejo seus olhos,
Não existe uma mulher que chegue perto de você.
Vamos, baby, enxugue seus olhos,
Mas, Angie, Angie, não é bom estar viva?
Angie, Angie, eles não podem dizer que nunca tentamos...

terça-feira, 5 de maio de 2009

COMO SE FOSSE A PRIMEIRA VEZ

Podem dizer que é um filme água com açúcar, mas eu amo uma história bem contada e este filme é lindo, realmente uma história muito bem contada.



Sinopse
Como se Fosse a Primeira Vez (50 First Dates) é uma adorável comédia romântica estrelada por Adam Sandler, no papel de Henry, um solteirão que não quer assumir compromissos, e Drew Barrymore como Lucy, uma professora de arte, que sofre de uma rara doença neurológica que causa a perda de memória durante a noite - todas as noites.
Veterinário de animais marinhos das regiões árticas, Henry Roth (Sandler) tem seu futuro todo planejado. Quando não está com os animais do Sea Life Park no Havaí, está partindo os corações das turistas em busca de um romance de férias. Para Henry, uma relação estável está totalmente fora de cogitação. Isto iria arruinar seu sonho de uma década de navegar para o Alasca para estudar a vida submarina das morsas.
Henry está perto de realizar seu sonho quando sua escuna, a Serpente do Mar, sofre um acidente durante uma corrida, o levando até o Hukilau Café. Lá, os clientes o olham com desconfiança quando percebem seu interesse pela linda jovem Lucy Whitmore (Barrymore).
Henry fica imediatamente interessado em Lucy, que está sentada sozinha, tomando seu café da manhã. Intrigado por sua maneira metódica de comer seus waffles e transforma-los numa perfeita torre, ele volta ao Hukilau no dia seguinte. Novamente, Lucy está sentada sozinha com seus waffles, mas desta vez os transforma em uma perfeita cabana. Quando ela não consegue fechar a porta de sua cabana de waffle, Henry percebe uma oportunidade e se aproxima dela com um palito que usa como uma dobradiça.
Enquanto conversam sobre waffles e animais marinhos, Henry fica cada vez mais interessado e ignorando sua própria regra de não namorar garotas da cidade, combina de encontrar-se com ela na manhã seguinte. Entretanto, quando chega para o encontro, ela não o reconhece e pede socorro, julgando tratar-se de um maluco.
Lucy não tem a menor idéia de quem ele seja. E Henry percebe que se quiser ganhar seu afeto, vai ter que recomeçar todos os dias pelo resto de sua vida.



Elenco e Equipe Técnica
Adam Sandler ... Henry Roth
Drew Barrymore ... Lucy Whitmore
Sean Astin ... Doug
Rob Schneider ... Ula
Lynn Collins ... Donna
Blake Clark ... Marlin
Glen Chin ... Cafe Regular #2
Pomaika'i Brown ... Nick
Kent Avenido ... Cook's Helper/Busboy
Allen Covert
Adam Del Rio
Amy Hill
Joe Nakashima
Sharon Omi
Mark Pinkosh
Missi Pyle
Maya Rudolph
Anne Stedman
Lusia Strus
Katheryn Winnick
Direção: Peter Segal

Roteiro: George Wing

Edição: Jeff Gourson

Produção: Scott Bankston

Estúdio: Anonymous Content

Distribuição: Columbia Pictures

Fonte:http://cineminha.uol.com.br

segunda-feira, 27 de abril de 2009

RIFA-SE UM CORAÇÃO (QUASE NOVO)

(Clarice Lispector)




Rifa-se um coração quase novo.

Um coração idealista.

Um coração como poucos.

Um coração à moda antiga.

Um coração moleque que insiste em pregar peças no seu usuário.

Rifa-se um coração que na realidade

está um pouco usado, meio calejado, muito machucado

e que teima em alimentar sonhos, e cultivar ilusões.

Um pouco inconseqüente

que nunca desiste de acreditar nas pessoas.

Um leviano e precipitado,

coração que acha que Tim Maia estava certo

quando escreveu... "não quero dinheiro,

eu quero amor sincero, é isso que eu espero...".

Um idealista...

Um verdadeiro sonhador...

Rifa-se um coração que nunca aprende.

Que não endurece,

e mantém sempre viva a esperança de ser feliz,

sendo simples e natural.

Um coração insensato que comanda o racional

sendo louco o suficiente para se apaixonar.

Um furioso suicida que vive procurando relações

e emoções verdadeiras.

Rifa-se um coração que insiste

em cometer sempre os mesmos erros.

Esse coração que erra, briga, se expõe.

Perde o juízo por completo em nome de causas e paixões.

Sai do sério e, às vezes revê suas posições

arrependido de palavras e gestos.

Este coração tantas vezes incompreendido.

Tantas vezes provocado. Tantas vezes impulsivo.

Rifa-se este desequilibrado emocional que,

abre sorrisos tão largos que quase dá pra engolir as orelhas,

mas que também arranca lágrimas e faz murchar o rosto.

Um coração para ser alugado,

ou mesmo utilizado por quem gosta de emoções fortes.

Um órgão abestado

indicado apenas para quem quer viver intensamente e,

contra indicado para os que apenas pretendem passar pela vida

matando o tempo, defendendo-se das emoções.

Rifa-se um coração tão inocente

que se mostra sem armaduras e deixa louco o seu usuário.

Um coração que quando parar de bater

ouvirá o seu usuário dizer para São Pedro na hora da prestação de contas:

" O Senhor poder conferir", eu fiz tudo certo,

só errei quando coloquei sentimento.

Só fiz bobagens e me dei mal

quando ouvi este louco coração de criança

que insiste em não endurecer e, se recusa a envelhecer".

Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por outro

que tenha um pouco mais de juízo.

Um órgão mais fiel ao seu usuário.

Um amigo do peito que não maltrate tanto o ser que o abriga.

Um coração que não seja tão inconseqüente.

Rifa-se um coração cego, surdo e mudo,

mas que incomoda um bocado.

Um verdadeiro caçador de aventuras que,

ainda não foi adotado, provavelmente,

por se recusar a cultivar ares selvagens ou racionais,

por não querer perder o estilo.

Oferece-se um coração vadio, sem raça, sem pedigree.

Um simples coração humano.

Um impulsivo membro de comportamento até meio ultrapassado.

Um modelo cheio de defeitos que,

mesmo estando fora do mercado,

faz questão de não se modernizar, mas vez por outra,

constrange o corpo que o domina.

Um velho coração que convence seu usuário

a publicar seus segredos e, a ter a petulância

de se aventurar como poeta.

Related Posts with Thumbnails